Investiplan leva tecnologia à primeira escola sustentável do Brasil

Inaugurado na sexta-feira, dia 20 de maio, o Colégio Estadual Erich Walter Heine é a primeira escola completamente sustentável do País. A Investiplan e a IP Systems se orgulham de participar desse projeto, como fornecedoras de tecnologia verde de ponta. A unidade escolar, que fica em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, recebeu 200 alunos do Ensino Médio da rede estadual, escolhidos por concurso entre mais de 2 mil inscritos.

Construída pela TyssenKrup CSA ao custo de R$ 11 milhões, a escola possui teto verde, painéis solares para aquecimento de água e lâmpadas Led iluminando os ambientes. Com ênfase no ensino profissionalizante, a Erich Walter Heine promete revolucionar o conceito da escola moderna, antenada com as necessidades do planeta e de jovens cada vez mais ligados à tecnologia. Tudo na escola visa a sustentabilidade. Isso inclui o sistema de informática e de automação, executados pelas empresas Investiplan e IP Systems, respectivamente.

Para se adequar ao conceito de sustentabilidade que preconiza esse novo modelo de escola, a Investiplan, que atua há 14 anos dado soluções integradas na área de Tecnologia da Informação, instalou, na primeira fase do projeto, 37 computadores, além de fornecer os três servidores, 5 lousas digitais e 5 projetores.

Esse novo conceito educacional é algo extraordinário, que começou a ser concretizado no Nave com cursos tecnológicos em parceria com a empresa Oi, e depois foi realizado no Nata com o grupo Pão de Açúcar na área de alimentação. Na Erich Walter Heine, eles vão aprender a serem empreendedores, administradores e ecologicamente corretos, em uma região carente que necessitava de um colégio dessa dimensão - afirmou o governador, que anunciou a entrega de laptops para todos os estudantes da escola.

"Esse novo conceito educacional é algo extraordinário, que começou a ser concretizado no Nave com cursos tecnológicos em parceria com a empresa Oi, e depois foi realizado no Nata com o grupo Pão de Açúcar na área de alimentação. Na Erich Walter Heine, eles vão aprender a serem empreendedores, administradores e ecologicamente corretos, em uma região carente que necessitava de um colégio dessa dimensão", afirmou o governador, que, durante a inauguração anunciou a entrega de laptops para todos os estudantes da escola. "É com muito orgulho que inauguramos essa escola que traz inovação e qualidade de educação para a região. Hoje, nasce a primeira unidade educacional feita de acordo com a certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), que certifica construções sustentáveis. Em todo o mundo, há apenas 120 escolas certificadas. E agora na Cidade Maravilhosa", completou o presidente do grupo Thyssenkrupp CSA, Hebert Eichelkraut.

Sócia da Investiplan, Monica Trindade explica que foi determinante na escolha dos computadores o fato de a empresa ser certificada com o selo EPEAT, concedido pelo Green Eletronic Council, da Fundação Internacional para o Desenvolvimento Sustentável, com sede nos EUA. O selo é concedido somente a empresas que cumprem rigorosos critérios da economia verde. Para recebê-lo, 23 quesitos são levados em conta, tais como a utilização de materiais recicláveis e baixo consumo de energia. Além dos computadores e cabos ecologicamente corretos, cada uma das salas de aula da Escola Verde contam com uma lousa eletrônica conectada ao computador usado pelo professor. "O aluno hoje em dia, principalmente o do Ensino Médio, se aborrece com aulas tradicionais, sem interatividade. A lousa é comum em escolas de idiomas e na rede privada, mas em escola pública é uma novidade muito bem vinda. A era do quadro-negro, garganta e giz ficou para trás", aposta a empresária.

Multifuncionais corrigem provas

Outra novidade que promete facilitar a vida dos professores é a impressora multifuncional instalada pela Investiplan na primeira escola verde do Brasil. Ela permite, na função scanner, a correção automática das provas de múltipla-escolha. "Nós não apenas instalamos e fazemos a manutenção dos equipamentos, mas oferecemos também o treinamento para a sua correta utilização. Os professores vibraram com essa novidade. É um tempo precioso que eles ganham com essa modernidade", diz Monica. As impressoras também têm o selo verde. Apresentam baixo consumo de energia e o descarte de tonner - que é prejudicial ao meio ambiente - segue rigorosos controles ambientais.

Monica diz que essas máquinas poderão servir para os diretores digitalizem os relatórios mensais que têm de enviar para a Secretaria de Educação. Hoje, esses relatórios são impressos e levados em várias vias, de carro, de Santa Cruz para a SEDUC, no Centro do Rio. Uma vez esses mesmos documentos podem assinados eletronicamente, digitalizados e enviados virtualmente, elimina-se a necessidade de deslocamento físico do documento, o que vai gerar menos de emissão de carbono na atmosfera.



“Vai chegar o dia que todos os processos serão eletrônicos, diminuindo radicalmente, também, a necessidade de impressão, consumo de tonner e papel”, antevê a empresária. "Há alguns aspectos importantes em uma escola como esta, que está funcionando desde fevereiro. Primeiro sobre o aspecto profissional, porque o Rio está vivendo um momento especial com eventos como a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Os jovens da escola serão demandados pelo mercado daqui a uns 10 anos. Outro aspecto é passar a consciência ambiental para os alunos através da prática. A meta é levar esse conceito para 100% da rede", anunciou o secretário estadual de Educação Wilson Risolia.

A parte de automação predial da escola verde, a cargo da empresa IP Systems, preconiza a economia de energia. A empresa instalou um software que controla o consumo de eletricidade da escola e fornece relatórios de produtividade com soluções para os casos onde as metas não forem atingidas. Todos os access points da escola fornecem não apenas Internet sem fio, mas permite também tráfego de dados, imagens, voz e vídeo na rede do colégio e também fora dela.

A segurança da escola é feita por câmeras. Isso significa que o batalhão da PM, a delegacia local ou o governador, do computador dele no Palácio Guanabara, poderão visualizar o que está acontecendo no colégio. Trata-se do primeiro passo para se derrubar os muros das escolas, muros que as separaram da sociedade. A tecnologia permite essa integração.